Gama x Brasiliense: é hora de o torcedor falar sobre o clássico

No próximo domingo (17), a bola rola para o superclássico entre Gama x Brasiliense. É um momento no qual todos os envolvidos no duelo merecem destaque. Uma das partes que fazem diferença no clássico como um todo é o torcedor. Sendo assim, a Esportes Brasília ouviu dois fanáticos: um pelo Jacaré, outro pelo Periquito.




Contatamos e fomos muito bem recebidos por duas figuras ilustres que são apaixonados pelos seus times e estão sempre nas arquibancadas de Bezerrão, Serejão, Mané Garrincha, ou onde quer que o time do coração vá jogar. Um deles é o estudante de Educação Física, Eduardo Moura, de 21 anos, que já transformou em rotina o apoio ao alviverde nos meios e fins de semana. Do outro lado, temos o militar e músico Gabriel Henrique, de 24 anos, colecionador de camisas do Brasiliense e ex-mascote do time.

  • Foto: arquivo pessoal
  • Foto: arquivo pessoal
  • Foto: Arquivo pessoal
  • Foto: arquivo pessoal
  • Foto: arquivo pessoal

A paixão me pegou…

Eduardo acompanha o Gama desde o antigo Bezerrão — o estádio passou por reforma e foi reinaugurado em 2008. Na “versão anterior” do local, o estudante viu craques como Paulo Nunes e Ferrugem brilharem com a camisa do verdão.




“A minha paixão pelo Gama surgiu a partir dos grandes ídolos que jogaram no clube. Acompanhei de perto craques da minha geração, como Paulo Nunes, Ferrugem, Keké (este, inclusive, era atleta do futebol amador e tinha enorme identificação com a torcida). Eu sempre ia nos jogos com algum vizinho ou parente”, explica Eduardo.

Eduardo em meio a Ira Jovem, torcida organizada do Gama. Foto: Reprodução/Instagram

Já o coração do torcedor Gabriel foi tomado pelo Brasiliense no quarto ano de criação do clube, em 2004, quando o time foi campeão da série B. “Meu pai já ia aos jogos. Um dia, ele me levou ao jogo do acesso contra o Fortaleza. De lá para cá, essa paixão só aumentou”, contou.

Uma curiosidade sobre o torcedor do Jacaré é que, além de apaixonado, ele é colecionador de camisas do time. “Em 2005, ganhei a primeira camisa. Era a do Marcelinho Carioca (hoje, diretor do Capital CF). Daí, passei a pedir mais camisas. Eu tenho uma que, para mim não tem preço. Ela tem os autógrafos de todos os atletas que já passaram e fizeram história pelo Jacaré”, comentou.

Dezenas de autógrafos na camisa do Gabriel. Foto: arquivo pessoal

Nunca vou esquecer

Hoje em dia, Gama e Brasiliense não têm conseguido se destacar a nível nacional. Porém, os dois clubes já fizeram história ao conquistar a Série B e frequentar a primeira divisão do campeonato brasileiro. Ambos já enfrentaram diversas equipes consagradas no futebol nacional. Isso, certamente, está marcado na cabeça do torcedor. No caso de Eduardo e Gabriel, os dois têm aqueles jogos que carregam consigo e nunca vão tirar da memória.




Eduardo cita uma partida relativamente recente. O jogo que ele lembra de forma especial é o Gama 1×0 Brasília, no duelo de volta da final do Candangão de 2015. “Tentei gravar o gol do Grampola (Rafael Grampola era o centroavante da equipe à época), mas foi tanta emoção na hora, que deixei meu celular cair. Foi um dos maiores públicos do futebol candango, colocamos cerca de 30 mil pessoas no Mané Garrincha. A torcida abraçou, empurrou o time ao título. Por isso, acho esse jogo inesquecível.” relembrou, emocionado. Reveja os melhores momentos dessa partida, torcedor:

Apesar de já ter falado sobre o jogo que garantiu o Brasiliense na Série a de 2004, Gabriel tem mais momentos bons na memória, e compartilhou um deles conosco. “Um jogo que nunca vou me esquecer é o Gama 1×1 Brasiliense, no primeiro jogo da final do Candangão 2011. O Gama vencia por 1×0 até os 47 do segundo tempo, quando o Jacaré fez o gol do empate e calou o estádio Bezerrão. No jogo seguinte, vencemos por 3×0 e fomos campeões”, citou. Relembre:

Expectativa para domingo

Ao perguntarmos das expectativas dos dois para o clássico de domingo (17), os dois foram otimistas, mas demonstraram preocupação com a questão da segurança.  “Que seja um clássico de muita paz e harmonia, no qual todos possam levar a família. Espero uma chuva de gols, com certeza a favor do Gama, né (risos), comentou o torcedor alviverde.

Gabriel exalta o poder de elenco das equipes em 2019. “Tem tudo para ser um dos melhores clássicos dos últimos anos, com as duas equipes na liderança e os times bastante equilibrados tecnicamente. Tenho certeza que, independente do resultado, quem for ao estádio, verá um grande espetáculo”, afirmou o apaixonado pelo Jacaré.

Placar magrinho

Quando incentivamos os dois a arriscar um palpite para o duelo, ambos optaram por um placar magro. Eduardo acha que o centroavante ex-Brasiliense vai aprontar para cima deles. “Eu acho que vai ser jogo de 1×0 para o Gama, com gol do Nunes, de cabeça”. Gabriel vai no mesmo 1×0, mas para o lado amarelo. “Vai ser bastante disputado, com um gol do Morais no final do jogo. 1×0 Jacaré.” arriscou, o colecionador.

Com todo esse clima de clássico na capital federal, é importante lembrar que torcer é um dos maiores prazeres de um fanático pelo futebol, e que este prazer não pode perder espaço para violência, racismo, homofobia e nenhum outro tipo de preconceito. Assim, poderemos ver grandes espetáculos no esporte local.

Gama e Brasiliense duelam neste domingo (17), às 17h, no estádio Bezerrão, pela nona rodada, em confronto que você acompanha aqui, na Esportes Brasília, a número um em esportes!

Fonte: esportesbrasilia
Author: Julio Cesar Silva

Postado por: estadio